Mundo

Estudo recente aponta que a idade paterna avançada influencia na saúde do bebê

Estudo em Universidade Americana aponta que idade avançada paterna causa impactos na saúde do bebê.

Quando se fala em tempo limite para ter um filho o primeiro pensamento é na mulher, no relógio biológico. Existe um limite para que a mulher consiga conceber, e isso se dá ao número de óvulos que uma mulher irá produzir durante a vida. Aconselha-se que a mulher tenha filho antes dos 35 anos de idade para evitar problemas de saúde para ela e a criança, porém recentemente um estudo americano identificou que a idade paterna pode interferir no tempo da gestação, aumentando as chances de um bebê prematuro e com a saúde debilitada.

PUBLICIDADE

O estudo, que foi publicado na quarta-feira passada pelo British Medical Journal, mostrou que os bebês nascidos de homens com idade igual ou superior a 45 anos têm 14% a mais de chance de nascerem prematuros, ter baixo peso e necessitarem de terapia intensiva neonatal; o risco de problemas respiratórios  nessas mesmas condições é de 10% enquanto o de convulsão sobe para 18%. Os riscos também apontam para as mulheres, onde a probabilidade de desenvolver a diabetes gestacional é 28% maior quando o pai do bebê é mais velho.

Hilary Brown, da Universidade de Toronto, no Canadá, comentou que esse resultado pode estar relacionado aos hábitos negativos relacionados a saúde que o homem mais velho tende a ter, como tabagismo, consumo frequente de álcool, obesidade, doenças crônicas, doenças mentais e subfertilidade que podem interferir na saúde do bebê.

PUBLICIDADE

Para se chegar a essa conclusão, os pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, analisaram dados entre 2007 e 2016 com todos os registros de saúde dos pais de bebês nascidos vivos na Califórnia, o que totalizou mais de 40 milhões de crianças; Um dos autores da pesquisa, Michael Eisenberg, disse que apesar dos dados serem simples, alerta para que os casais não ignorarem a idade paterna quando se tem o objetivo de ter filhos. “Há riscos potenciais em esperar. Os homens não devem pensar que estão imunes”, disse ao The Guardian.