Traição não é erro, é a escolha mais covarde que existe

Traição não é um erro, é uma escolha que interfere na vida de outras pessoas da maneira mais cruel que existe.

A traição vai muito além do que a definição da palavra pode nos propor. Vai além da decepção, do repúdio, muito além do rompimento de um contrato social, moral e psicológico.

A traição é um ato que causa feridas irreparáveis no outro, causa baixa autoestima, quebra de confiança, quebra de respeito. Ser traído é ser passado para trás da forma mais cruel que existe.

Muitos relacionamentos terminam em separação, devido a uma traição, mas com o fim do relacionamento, a ferida que foi causada no coração e na alma da pessoa traída, não termina. Ela permanece aberta, latejando, gritando alto, doendo, e não é apenas por amar o parceiro que a traiu, não… É porque mexeu com o seu ‘eu’, a pessoa se sente culpada, ao invés de vítima, ela se martiriza a cada segundo pensando onde ela errou.

Mas ela errou? Claro que não!

A traição não é um erro, é uma escolha, e não podemos nos culpar por escolhas que não foram feitas por nós. Cada um deve ser responsável por suas próprias escolhas e atos, saber que depois você colhe as consequências delas.

A traição dói, e não pense que é apenas pelo fato de ter sido trocado por outra pessoa, não é apenas a substituição que dói, dói a falta de respeito pela história construída, pelas lutas vividas, pelas lutas vencidas, pelas conquistas, dói porque trair é totalmente desnecessário, dói porque não existe nada que justifique a quebra da confiança.Clique na seta abaixo, após a publicidade, para continuar lendo a matéria.

PRÓXIMA PÁGINA
1 / 2